Niterói já tem fila para enterros, com mais de mil novos casos de Covid-19 em uma semana.

Até então, o maior número de novos casos da doença tinha ocorrido justamente na semana anterior, entre 4 e 10 de dezembro, quando foram documentadas 817 novas infecções. O movimento aponta para uma alta contínua no indicador, que sobe pela quarta semana consecutiva.

Pela primeira vez desde o início da pandemia, Niterói registrou mais de mil casos de Covid-19 em uma semana. Foram 1.023 novas infecções entre 11 e 17 de dezembro. Outro recorde é o de ocupação de leitos de UTI: 307 pacientes seguiam internados até o dia 17. O número de mortes na semana avaliada também é preocupante: 17, o maior em mais de três meses. Os dados constam do último relatório do comitê científico da prefeitura para a Covid-19.

Também foi a primeira vez que a cidade registrou mais de 300 pacientes internados em UTI por Covid-19, o que elevou a taxa de ocupação hospitalar no SUS para 70%. Na rede particular, 86% dos leitos de UTI estão ocupados, segundo o Sindicato dos Hospitais Particulares de Niterói (Sindhleste). 

As 17 confirmações de óbito em decorrência da doença entre 11 e 17 de dezembro também fazem desta semana a pior desde o período entre 5 e 11 de setembro, quando 18 casos fatais foram anotados. Nesse intervalo, em todos os 16 relatórios divulgados pelo comitê científico o número de mortes flutuou entre 8 e 12 a cada sete dias.

O aumento no número de mortes tem mudado a rotina dos cemitérios da cidade: agências funerárias estão com dificuldade para atender à demanda. “Estamos com fila para atender devido ao grande número de sepultamentos. São, no mínimo, dois dias de espera para conseguirmos enterrar um corpo”, disse um agente funerário que não quis se identificar.

Edição: Redação ZN Noticias Fonte: Giovanni Mourão Jornal O Globo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.